Número total de visualizações de página

sábado, 9 de janeiro de 2010

UM DIA DESTES



Um dia destes eu vou voar...
Alto,tão alto,que não vai mais ser possível voltar.
Ao que era,ao que fui.
E vou finalmente passar a ser exclusivamente quem sou.
Sem apêgos, sem amarras, sem arrependimentos.
Uma vida nova, verde e fresca,inocente...
Vou virar definitivamente as costas ao medo, e vou apenas acreditar.
Nas pessoas,na vida, no amor.
Em tudo o que me faz bem e me eleva.
Um dia destes,vou renascer.
Voltar a zeros, sem expectativas, sem exigências,nem lamurias.
Vou enfiar todas as crenças no fundo de um poço, e vou enche-lo de sementes para que novos pensamentos invadam a mente dos homens.
Um dia vou encontrar-me com a felicidade sem medo que seja passageira.
Vou estar face a face como amor,e não mais me farei de forte.
Usarei essa força que me anima, para lhe escancarar a porta do meu coração fechado a sete chaves, há já tempo demais.
Um dia vou acreditar que existe uma vida para ser vivida como eu sempre sonhei.
Uma vida que respeita e acarinha os seus animais.
O seu planeta, os seus companheiros de estrada.
Uma vida onde não me perguntam o que faço, e sim como me sinto.
Em que não me perguntam de cada vez que me ligam onde estou,e sim como estou.
Quanto ganho, que estudos tenho, se tenho carta, se tenho net, tv cabo, e marido.
E sim, que me perguntem quem sou, o que me move, o que me emociona...Olhos nos olhos...
Um dia vou voltar a andar descalça sempre que me apetecer,sentar-me no chão,soltar os cabelos e rir até não poder mais.
Vou acordar a cada manhã, na certeza de que vou ter um dia maravilhoso pela frente e vou aproveitar cada segundo como se fosse o último.
Enquanto aguardo pelo comando do tempo,vou deitando fora todas as dores, permitindo que o rio das lágrimas que viviam aprisionados dentro do meu peito saiam sempre que lhes apetecer.
Sem procurar um motivo, sem esperar o local apropriado.
Dando-lhes enfim, total liberdade para se exprimirem,mesmo que não as entenda, que desconheça a sua origem.
E doi muito.
E eu finalmente deixo doer.
Aceito essa dor, transformo-me nela . Olho-a frente a frente, e deixo que ela tome conta de tudo.Entrego-me, aceito-a.
Sei que ela vai passar e por isso já não lhe imponho prazos, já não lhe rogo pragas, já não me lamento,e nem me faço de vítima.
Renuncio a anti-depressivos, idas ao shopping, whiskys, sexo, ou drogas.
Renuncio a gargalhadas falsas, palavras ocas, maquilhagens, decotes,ou saltos altos.
Renuncio a tudo o que brilhe,e penetro fundo dentro de mim.
Onde está escuro, onde nunca ousei mergulhar.
Mergulho nua, despida de tudo o que me possa definir exteriormente.
Vou sozinha.
Como companheira invisível levo apenas comigo uma certeza.
A Fé...

Cláudia

4 comentários:

Neto. disse...

Oi Claudia, que belo espaço você tema aqui. Acho que você já conseguiu chegar onde queria, você transcedeu. E pode ter certeza que estará bem em qualquer lugar, sempre estará bem que estiver com a Fé e com esta sempre haverá a Esperança também

Obrigado pela visita e pelo belo comentário lá no meu blog.

Cláudia disse...

p/Neto- Obrigada por retribuires a visita! Realmente a fé é a minha força maior ,mas olha que eu estou longe, de ter transcendido, e mais longe ainda, de ter chegado onde queria.Se é que exista algum patamar onde chegar.Mas sim, a fé irá levar-me a bom porto.Disso eu tenho a certeza...

Itamir disse...

Em primeiro lugar sou seguidor do blog do Neto e resolvi visitar o seu ,que por sinal é muito bom, gostei muitos das postagens é td muito bem elaborado com uma aura muito boa..gostei muito parabens!

Cláudia disse...

p/Itamir-Eu agradeço muito as tuas palavras e quero que saibas que serás sempre muito bem-vindo por aqui.O portal está sempre aberto para seres brilhantes...