Número total de visualizações de página

sábado, 5 de maio de 2007

INTIMIDADE


Só a intimidade nos dá o conhecimento privilegiado e as informações íntimas que podem tornar-nos o melhor juiz do caractér e da conduta daqueles que amamos. Quem pode conhecer os meus defeitos e virtudes melhor do que os meus filhos, a minha mulher, os meus amigos, esses companheiros de longos anos?

Eles conhecem as cavernas onde enterrei medos antigos e as árvores ocas onde escondi boas obras secretas.conhecem a minha generosidade transbordante e a minha mesquinhez.

Só eles viram o terreno pedregoso do meu egoísmo e o longo amadurecer da minha compaixão. Marcas da minha cólera e da minha negligência, do meu entusiasmo e da minha bondade estão-lhes gravadas na alma.Sabem quais são as feridas incicatrizáveis que escondo.Preciso do olhar deles, da sua imparcialidade afectuosa, do seu julgamento compassivo.

É para eles que me viro quando preciso de testemunhas que me ajudem a avaliar os meus motivos e acções.


Devemos julgar com honestidade e compaixão aqueles que amamos, e pedir que nos julguem, na esperança de criar uma comunidade de justiça.

Goste de si o suficiente para ser capaz de julgar, e reaja quando uma ofensa for cometida contra si. Esteja pronto a perdoar diante de um arrependimento sincero, e depois esqueça...


( Amar e ser Amado- Sam Keen )

5 comentários:

Meia Lua disse...

Que bom! Voltaste a escrever aqui, já tinha saudades...
Os julgamentos são quase sempre injustos, porque não nos podemos colocar no lugar daqueles que estão a ser julgados... por isso não sabemos nunca que se estivéssemos no seu lugar, não faríamos o mesmo... (o melhor que se podia fazer naquela situação) Já o perdão, esse tem de vir de dentro, do coração aberto, de quem ama...
beijinho muito grande :*

joão marinheiro disse...

Palavras sábias mesmo. abraço pela visita feita.

Cláudia disse...

p/meia lua-Que bom, digo eu! Que bom ter-te aqui de novo, luazinha.Eu entedo o julgamento de que ele fala de uma maneira que não é injusta.É um "abrir dos olhos" que só aqueles que nos conhecem intimamente sabem fazer.Certas pessoas são-nos tão íntimas, que sentem como nós, e por isso será sempre um julgamento com conhecimento de causa, que nos dá o alento que precisamos.bjo enorme para ti.
p/João Marinheiro- Concordo.Também vejo sabedoria nestas palavras e por isso resolvi publicar alguns excertos do livro.O prazer da visita foi meu, e irá concerteza repetir-se.

tb disse...

Bom quando todos os homens sejam capazes de não fazerem julgamentos. Aí o mundo será díferente.
Beijinho

Cláudia disse...

p/tb- Entendo o que sentes ao ler essa palavra. Vem logo a sensação de condenação, e não somos ninguém para julgar ou condenar seja quem for.No entanto, vejo muita verdade neste trecho do livro, e por isso resolvi partilhá-lo.bjinho grande.