Número total de visualizações de página

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2006

O AMOR DIVINO E O AMOR HUMANO


Pouco importa o quanto uma mulher ama o seu homem e deseje dar-lhe o seu amor, ela não pode, nem dará todas as suas energias divinas, se ele não for por si próprio, inteiramente integrado ou alinhado com o amor. Como só uma minoria de homens são eles mesmos, o fosso do descontentamento entre o homem e a mulher não pára de crescer. Para integrar inteiramente o princípio masculino, um homem deve assimilar no seu corpo as energias femininas divinas, que a mulher somente lhe pode entregar fazendo amor de maneira correcta. Mas o homem deve ser suficientemente homem. Deve ser capaz de amar na plenitude a mulher ; isto significa amá-la divinamente e de uma maneira desinteressada durante o acto de amor verdadeiro. Ele deve ser capaz de absorver e de exprimir o amor de forma suficiente com o próprio corpo, para atingir a parte mais elevada da mulher, e de amar o suficiente para extrair as energias divinas do seu centro mais profundo. Ser capaz de amar desta maneira representa a autoridade que o homem perdeu- a sua única verdadeira autoridade sobre a mulher.

Isto requer amor puro. Não depende de uma técnica. Um homem pode desenvolver a sua técnica sexual, mas não pode utilizar a sua perícia para fazer amor divinamente. As sensações de excitação e de orgasmo são gratificantes para ele, e dão-lhe uma forma de autoridade, mas elas não são o que a mulher deseja ardentemente. Ele pode satisfazê-la, como uma boa refeição o faria. Mas breve, ela terá fome de novo, e por fim desprezará o seu apetite ou desprezar-se-á porque saberá que não é amada.

( excerto do livro " Fazer Amor de Maneira Divina " de Barry Long )

4 comentários:

greentea disse...

quantos homens, quantas mulheres , não precisariam de ler este livro!...

Meia Lua disse...

É mesmo isso... muito a aprender... O amor divino preenche tudo :) beijinho

Cláudia disse...

p/greentea- todos os que busquem ir mais além, precisam entender a divindade presente no sexo e no amor. E eu não sou excepção. Vivendo, e aprendendo...

Cláudia disse...

p/meia lua- Para isso viemos cá. Do amor nascemos e a ele voltaremos.bjs:)